Ir para o conteúdo

Aluno da UFOP tem conto selecionado em concurso literário

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
O estudante do Programa de Pós-Graduação em Turismo e Patrimônio Cultural (PPGTUPATRI) Éverlan Stutz é membro da Academia de Ciências e Letras de Ouro Branco e teve seu conto "O Natal e o vendedor de bananas" selecionado no concurso literário "Natal com graça", realizado pela editora Olympia, com sede em Uberlândia. O conto faz uma crítica ao consumismo do período natalino e à concepção eurocêntrica do Natal.
 
Foram escolhidos 35 contos com base em critérios de avaliação pautados na qualidade literária das obras e no humor contido nas narrativas. O concurso abrangeu e contemplou escritores de diversos estados brasileiros, como Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Amazonas, Pará, Minas Gerais, Ceará e Distrito Federal.
 
Confira o conto selecionado:
 
O Natal e o vendedor de bananas
 
É véspera de Natal e o vendedor de bananas continua paralisado na rua com o olhar de quem tem contas para pagar, talvez comprar panetones para os filhos ou frango que seria degustado como o peru anunciado na propaganda da televisão. As bananas guardam a angústia natalina dos alimentos que não constam na lista das tradições. Deve ser difícil ser banana no Natal. A rainha natalina é a uva-passa e outras iguarias que nos fazem esquecer que moramos em um país tropical. Nem para adorno a banana é requisitada em tempos de Papai Noel. Seria bom se alguém inventasse uma árvore de Natal à Carmem Miranda, com o colorido de seus balangandãs e de nossas frutas tropicais. E o vendedor segue a berrar:
 
- Quem vai querer comprar bananas? Olha a banana da terra!
 
Nas comemorações do nascimento de Jesus, nos transformamos em europeus nórdicos, falta apenas neve para a paisagem ficar mais próxima de uma realidade tão distante, mas almejada pela maioria que sonha na representação natalícia de filmes e desenhos animados, com seus bonecos de gelo, Olafs e trenós. Não queria ser banana no Natal, desejaria ser avelãs ou até mesmo uma simples rabanada. O vendedor continua sentado e grita aos quatro cantos:- Comprem bananas! Tem banana caturra, nanica, da prata. Há um silêncio constrangedor entre suas mercadorias, um reboco malfeito ao fundo e muitas pessoas transitando à procura de uvas sem caroço para ornamentar a ceia e o Chester. Banana, não! É fálica demais, anticonvencional no Natal. A banana não é só desprezada nesse período de festividades cristãs. O tolo é sinônimo de banana, a fruta chega a ser um gestual de repúdio, de agressão visual. A banana não é europeia. E o Natal é vendido na publicidade como algo gélido, uma paisagem requintada, repleta de pisca-piscas.
 
- Uma banana para você que precisa de potássio, ironizou o vendedor de avelãs.
 
As bananas devem chorar por tamanho desprezo e desmerecimento em épocas natalinas. A cada hora passada, o vendedor se desespera mais e começa a implorar aos transeuntes e possíveis clientes.
 
- Levem bananas, preciso fazer a ceia pra minha família! Yes, nós temos bananas! O olhar do vendedor é um abismo de tristezas. Ao anoitecer, sem vender uma penca sequer, o vendedor já estava sem esperanças, não teria a ceia para a família dele. Um velho senhor negro de barba branca olhou para o vendedor, tirou uma cartela de ticket alimentação e o presenteou.
 
- Isso aqui é para você fazer uma ceia de Natal para sua família. Os olhos do vendedor encheram-se de lágrimas e de gratidão. Ele não sabia o que dizer para aquele senhor desconhecido, apenas o agradeceu e o abraçou com a fé de quem ainda acredita na solidariedade.
 
- Leve um cacho de bananas, senhor! Assim ficarei mais satisfeito e me sentirei mais útil com essa troca. O senhor negro de barba branca olhou o cacho de bananas. Apertou a mão do vendedor e falou palavras assertivas.
 
- Caro vendedor de bananas, no próximo Natal tente vender avelãs ou outro tipo de castanha. A ceia é diversa, assim como a natureza humana. Você se esforçou para garantir a ceia de sua família. Fique com seu cacho de bananas e nunca perca o amor por Nosso Senhor Jesus. Agora se apresse para celebrar o nascimento de Cristo com a mesma determinação que você tentou vender suas bananas no Natal. O vendedor de bananas olhou para aquele senhor negro de barba branca e bradou confiante:
 
- Bem que eu sabia: o senhor é o Papai Noel assim como Jesus Cristo. Vocês são negros. Fui enganado esse tempo todo. Você é o Papai Noel e é negro. Não é mesmo?
 
- Não sou o Papai Noel. Sou apenas um revendedor de castanhas e uva-passas, um coach natalino. Me segue no Instagram. No próximo Natal você vai vender nozes ou algo parecido. Faço isso porque és um bom vendedor. Apenas não acertou o produto certo, na época certa. Feliz Natal: ho-ho-ho!
 

 

Veja também

15 Abril 2024

O prazo vai até 30 de abril. Os interessados devem verificar as diretrizes para submissão no site da revista. A...

Leia mais

12 Abril 2024

A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proppi) recebe inscrições de projetos para os respectivos editais de iniciação cientifica (IC):...

Leia mais

19 Março 2024

A professora do Departamento de Educação e Tecnologias (Deete) Márcia Ambrósio está lançando a obra "Reverso da avaliação, analisando os...

Leia mais

19 Março 2024

Os professores Leandro Vinícius Alves Gurgel e Laurent Frédéric Gil realizam há mais de 20 anos uma pesquisa sobre a...

Leia mais