skip to content

Comissão aponta problemas que dificultam combate à Covid-19

Twitter icon
Facebook icon
Google icon

Os problemas políticos que o Brasil enfrenta contribuem para piorar as consequências da pandemia gerada pelo novo coronavírus, interferindo diretamente nas ações necessárias para seu combate. A avaliação, feita a partir da análise de conjuntura do vice-reitor, Hermínio Arias Nalini Júnior, é da Comissão de Monitoramento Administrativo e Acadêmico da Instituição, que se reuniu remotamente nessa terça-feira (5) e manifestou preocupação com a questão, indicando que este aspecto, em especial, tem dificultado o trabalho de planejamento de gestores envolvidos no processo.  

Nesta direção, a Comissão manifestou preocupação também com o Plano Estratégico do Governo do Estado para a retomada gradual das atividades. Isso, porque, de acordo com as avaliações iniciais, cabe aos municípios tomarem suas decisões e desenharem as ações necessárias para as possíveis retomadas. A possibilidade das subnotificações da Covid-19 no Estado e o baixo índice de exames aplicados à população foram alguns pontos que justificaram a preocupação dos membros da comissão, manifestada na fala da representante do Comitê de Combate ao Coronavírus, Carolina Ali. Segundo ela, a saúde precisa ser pensada de maneira sistêmica, portanto, não individualizada.

Para demonstrar esse desafio, ela citou como exemplo a proximidade entre Ouro Preto e Mariana, mostrando que o primeiro município não tem casos da Covid-19, enquanto o segundo já registrou um óbito e o diagnóstico para mais de 15 pessoas. Nessa direção, todos os participantes do encontro reforçaram a necessidade de uma melhor avaliação desses planos, de forma que os gestores das microrregiões envolvidas dialoguem mais entre si, como meio de evitar o crescimento da Covid-19 em suas cidades.

EDUCAÇÃO – Conforme discutido na reunião do dia 29/04, os membros da Comissão reiteraram suas preocupações com os rumos da educação, manifestando sobre a complexidade e as dificuldade para se pensar na substituição do ensino presencial pelo remoto ou a distância. A discussão ocorrida na Associação dos Reitores (Andifes), no último dia 27/04, na ocasião, serviu como base para esta pauta.

O vice-reitor Nalini Júnior, mesmo admitindo que o momento exige muita reflexão sobre os caminhos a serem tomados, lembrou de um estudo recente realizado na Europa que aponta como excludente a educação a distância massiva, até em países com mais tradição na área. Isso, devido ao fato de que o uso de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) não se dá de maneira igual.

Transportando esse quadro para a realidade brasileira, a situação pode ficar ainda mais complexa, considerando que hoje, no país, cerca de 46 milhões de pessoas não têm acesso à internet, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Tecnologia da Informação e Comunicação (Pnad Contínua TIC) 2018, divulgada em abril deste ano. Ao fazer uma crítica direta à chamada "Educação 4.0", a diretora de Comunicação do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Marcela Nícolas, disse que, para se pensar nesta possibilidade, é preciso "melhor compreender a realidade brasileira".

Na última reunião do grupo, chegou-se ao consenso de que os recursos digitais são importantes complementos ao processo educacional, sem, contudo, apresentarem-se como solução dos problemas que surgiram com a crise gerada pelo novo coronavírus. Como lembrou na ocasião o chefe de gabinete, Élido Bonono, o tema precisa ser "amplamente debatido no âmbito da comunidade universitária".

CIÊNCIA – A Marcha Virtual pela Ciência, promovida pela Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC), também entrou na pauta da reunião, com a afirmação da necessidade de que a comunidade da UFOP participe ativamente das atividades agendadas. O evento vai ocorrer no dia 7/05, com o objetivo de mostrar a importância da Ciência no enfrentamento da pandemia de Covid-19.

Foi apontada ainda a necessidade de a UFOP intensificar a divulgação de suas atividades ligadas ao tema. Isso, de acordo com a representante do DCE, Marcela Nícolas, e com o vice-reitor Hermínio Nalini, fortalece a imagem da Instituição junto à sociedade, que muito tem trabalhado nas ações de combate à Covid-19.

Se demonstrou que, apesar dos limites impostos pelo isolamento social, muito está sendo feito, com o trabalho remoto das equipes, mas, com um reforço em infraestrutura e pessoal, estas ações podem ganhar ainda mais fôlego. Neste sentido, o chefe de gabinete destacou a chegada da Rádio de Mariana, inaugurada dia 1/05, que já vem contribuindo para o aumento da difusão das ações da UFOP.

DEMISSÕES – A demissão de profissionais contratados por algumas empresas que prestam serviços no âmbito da UFOP também foi avaliada pelo grupo. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos da UFOP (Assufop), Sérgio Neves, falou sobre a necessidade de se criar mecanismos de proteção a esses trabalhadores, que ficam bastante vulneráveis em momentos de crise severa. Uma das propostas do grupo foi de que esta discussão pudesse ser realizada pelos sindicatos, em nível nacional, no sentido de se buscar sensibilizar o Legislativo a pensar em mecanismos de proteção para essas categorias.

Do ponto de vista interno, o pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento, Eleonardo Lucas Pereira, explicou que a UFOP vem fazendo todo um esforço para que isso não aconteça, rediscutindo contratos e buscando alternativas para a solução do problema. Ele lembrou que a recomposição do serviço de portaria foi um exemplo desse esforço.

SEGURANÇA – A questão voltou à pauta no encontro dessa terça. O pró-reitor adjunto de Planejamento e Desenvolvimento, Máximo Eleotério Martins, explicou que a administração está melhorando o sistema no entorno das moradias próximas aos campi. Segundo ele, além da intensificação do serviço de ronda, foi disponibilizado um telefone central para que os moradores das casas liguem indicando qualquer movimentação suspeita.

No último encontro do grupo, a representante do DCE, Vitória Pinheiro de Almeida, manifestou preocupação quanto à segurança no entorno das moradias estudantis. Segundo ela, houve um aumento no movimento de "pessoas estranhas às casas", principalmente no entorno das moradias femininas.

Participaram do encontro representantes da Administração Central, do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos da UFOP (Assufop).

Veja também

7 Dezembro 2021

A Pró-Reitoria de Finanças (Prof) informa que a frequência dos bolsistas referente ao mês de dezembro deve ser lançada entre...

Leia mais

6 Dezembro 2021

Assista à reunião do Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação (Conpep) nesta terça (7), às 8h30:

Leia mais

2 Dezembro 2021

A Lei Geral de Proteção aos Dados Pessoais (LGPD) começou a ser implementada pela UFOP em dezembro de 2020. A...

Leia mais

29 Novembro 2021

A reunião, que tem transmissão ao vivo, tem início às 14h desta segunda (29). Assista aqui:

Leia mais