skip to content

Aluna de pós da UFOP dedica performance de 42 horas às vítimas da Covid-19

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Arquivo da artista
"Podemos pensar a performance como elaboração da vida e da morte. Como exploração das possibilidades do corpo. Do meu corpo". Com essa afirmação, a artista e mestranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGAC) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Vina Amorim explica a ação de dedicar um segundo da sua performance a cada uma das mais de 150 mil vidas perdidas na pandemia do novo coronavírus no Brasil. Entre elas a da sua avó, Lourdes Ribeiro da Silva Amorim, que, enterrada com suspeita da doença, não teve o corpo velado pela família.
 
A performance "Lourdes não é um número" será realizada em duas etapas, com duração mínima de 21 horas cada. Durante as duas sessões, Vina permanecerá deitada, estendida no chão e envolta em camadas de plástico. Cercado por uma faixa, seu corpo estará isolado, assim como os corpos daqueles que foram vencidos pela Covid-19. Assim artista pretende passar as 42 horas totais da performance: vestida apenas com roupas de sua avó, máscara e uma coroa de flores. 
 
A proposta da artista surgiu do desejo de velar o corpo da avó, "uma realidade compartilhada entre muitas pessoas de nosso país e também um importante passo do processo de luto por nossos entes queridos", diz. "Além disso, não quero deixar que o 'novo normal' apague as lembranças das milhares de vítimas desse vírus que nos acomete ainda". 
 
Para enfrentar o jejum prolongado exigido pela ação, Vina tem seguido dieta restritiva. "Já há alguns dias que me alimento de sopa e uma ou outra comida bem leve. Tomo bastante líquido, água com limão. E medito. Assim vou vivendo e dando meu corre. Não sou dessas artistas intocáveis". 
 
Encenada na Praça Tiradentes, no município de Ouro Preto, a performance tem início às 17h desta segunda-feira (19). Pelo Instagram, amigos da artista vão transmitir trechos da atuação de hora em hora, durante 15 minutos.
 
VINA AMORIM - Dançarina, arte-educadora, performer, travesti, 26 anos. Licenciada em Artes Cênicas pela UFOP, a artista promove a ação como parte da disciplina "Performance, Gênero e Feminismo", ministrada pela professora Nina Caetano e ofertada pelo PPGAC. Na foto acima, da esquerda para a direita, estão a irmã da artista, a avó Lourdes Amorim e Vina Amorim, ainda bebê.

Veja também

3 Dezembro 2020

"Mutações do novo coronavírus e onde habitam: uma perspectiva in silico de mudanças estruturais e antigenicidade da proteína spike". Essa...

Leia mais

27 Novembro 2020

O aumento dos casos de contaminação por coronavírus e a necessidade de encontrar novas formas de esclarecer sobre os riscos...

Leia mais

23 Novembro 2020

O projeto de pesquisa "Percepções e perspectivas da comunidade universitária na pandemia de Covid-19: o que é importante para o...

Leia mais

20 Novembro 2020

O Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus da UFOP tem acompanhado, nos últimos meses, o grau de disseminação da doença nos...

Leia mais