skip to content

Imprensa mineira destaca alerta de pesquisadores quanto ao cenário da segunda onda no Brasil

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
NPG
Um grupo formado por pesquisadores da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Instituto de Ecologia AC, do México, realizou estudo que relaciona a livre circulação de pessoas à maior disseminação do novo coronavírus. A pesquisa foi desenvolvida por meio de um modelo matemático que previu a evolução da pandemia no Brasil. A notícia sobre a pesquisa e o alerta dos pesquisadores foi capa do jornal Estado de Minas desta segunda (4). 
 

photo_2021-01-04_14-33-53.jpg

Arquivo pessoal
A pesquisa foi capa do jornal
O trabalho intitulado “Ainda há tempo para reverter essa situação de vulnerabilidade ao Sars-CoV-2 no Brasil, pelo menos para as populações das regiões mais remotas do país” foi enviado a diversos órgãos no país. Entretanto, não houve a devida atenção às recomendações dos pesquisadores, o que evitaria que o país chegasse à marca de quase 200 mil mortos e 7,7 milhões de casos de Covid-19. 
 
Entre os acertos do estudo matemático produzido pelos pesquisadores no início da pandemia estava a previsão da entrada do vírus pelo Rio de Janeiro e São Paulo, a primeira onda em grandes cidades entre 65 e 80 dias após o primeiro caso e os primeiros municípios a aumentarem a taxa de infecção (São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Brasília, Fortaleza, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis), com exceção de Manaus que viu antecipada a primeira onda da Covid-19, diferentemente do que apontava a pesquisa. 
 
SEGUNDA ONDA - As altas taxas de aumento de casos da doença apontam para uma segunda onda no Brasil. Os pesquisadores alertam para que medidas mais restritivas sejam tomadas, a exemplo da primeira onda, e alertam para as consequências catastróficas sentidas na primeira onda que também se aplicam a uma segunda. 
 
Em entrevista ao jornal, o professor do Instituto de Ciências Exatas e Biológicas (Iceb) e do Núcleo de Pesquisas em Biologia (Nupeb) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Sérvio Pontes Ribeiro, afirma que a fiscalização ou controle sanitário em toda a estrutura aeroportuária e nas rodovias do país poderia ter amenizado o cenário na primeira onda, o que vale também para a segunda. "Não houve política nesse sentido e as pessoas circularam à vontade, como o fazem até hoje. Pelas estradas é igual. As pessoas vão e vêm normalmente”. 
 
Veja mais sobre a publicação de 27/03/2020 alertando sobre a necessidade do controle sanitário nos aeroportos: Pesquisadores identificam vulnerabilidade da região Amazônica e defendem controle sanitário nos aeroportos

Veja também

22 Janeiro 2021

Buscar meios de ampliar as informações foi um dos temas da reunião remota do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, realizada...

Leia mais

19 Janeiro 2021

O evento "Covid-19, Duas Visões: Escola e Front", que acontece no sábado (23), a partir das 9h, está com inscrições...

Leia mais

15 Janeiro 2021

Em reunião remota realizada ontem (14), o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus retomou as atividades com uma análise da crise...

Leia mais

18 Dezembro 2020

Na última reunião do ano, o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus discutiu a necessidade de estabelecer no Protocolo de Biossegurança...

Leia mais