skip to content

Renovando compromissos

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Por: Cláudia Aparecida Marliére de Lima - reitora
        Hermínio Arias Nalini Júnior - vice-reitor
 
A volta às aulas é sempre sinônimo de renovação, alegria e muito trabalho. Saudamos a todos, dando as boas-vindas àqueles que retomam ou iniciam suas jornadas aqui na UFOP. Esta retomada ocorre num momento em que as universidades públicas do Brasil vivem um momento singular — assim como o próprio país —, enfrentando desafios cada vez maiores, exigindo daqueles que acreditam e lutam por um ensino publico, gratuito, inclusivo e de qualidade, práticas de pesquisa e extensão efetivamente transformadoras e um crescimento constante da inserção social, além de muita perseverança, criatividade e, principalmente, inquietude, atributos que historicamente sempre estiveram presentes nesses ambientes.
 
O espírito desta tão importante instituição pública também deve ser renovado a todo momento, assim como o orgulho de poder estar estudando ou servindo nestes espaços, mantidos com muito sacrifício por toda a sociedade. Somente assim poderemos dar o melhor e mais justo retorno para esta sociedade, como estamos fazendo. Lembremos que são justamente essas universidades que hoje produzem a maior parte e as mais importantes pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos — leia-se, também, tecnologia social — do país.
 
As universidades públicas pertencem ao público, que as mantém e as sustentam. Assim, o nosso dever, enquanto servidores (técnicos e professores) e alunos, é devolver o melhor possível para essa sociedade, que também se renova a partir da geração de novos conhecimentos aqui produzidos.
 
Trata-se, portanto, de um lugar muito especial para todos, uma vez que, a cada ano, recebemos uma diversidade de alunos jamais vista na história da educação brasileira: negros, pobres, indígenas e oriundos do nosso sistema público de ensino. Essa população, que outrora se encontrava às margens de nossa sociedade, em especial do ensino superior, hoje representa mais de 50% do nosso corpo discente.
 
Nesta direção é que devemos trilhar, aprendendo, sobretudo, a respeitar as diferenças em todas as dimensões de valorização humana. E é nesta direção que a UFOP caminha, aprendendo a ser melhor, não apenas na qualidade de seus cursos e pesquisas, pois esses atributos, sozinhos, não medem a grandeza da inserção social, da inclusão de pessoas com deficiências em cursos regulares e da democratização do ensino, que, em última instância, só adquirem valor se referendados pela sociedade.
 
Aliás, é neste ranking que desejamos estar entre os melhores, porque estamos falando da quebra do paradigma da excelência acadêmica, ainda uma utopia, pois, quando olhamos para o horizonte do mundo, continuamos sofrendo com a violência praticada por estados legalistas e/ou paralelos, que punem sobremaneira os jovens, e com as assimetrias que perpassam nossas montanhas, realçando as desigualdades e os preconceitos.
 
Trata-se de um aprendizado difícil, mas transformador. Queremos, assim, neste início de semestre, reforçar estas boas-vindas com o clamor da esperança, da cultura da paz, desejando o fim das discriminações e da intolerância e vislumbrando uma vida melhor. O fortalecimento e a autonomia das instituições públicas de ensino são essenciais para que cheguemos lá.

Veja também

23 Fevereiro 2016

Em virtude dos atos de violência cometidos contra três alunas da UFOP, em uma de suas repúblicas, no último fim...

Leia mais

9 Março 2016

Diante da possibilidade de cortes no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), e até mesmo de sua...

Leia mais

3 Maio 2016

O presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão desta Universidade, reitor Marcone Jamilson Freitas Souza, convoca para a 356ª...

Leia mais

20 Junho 2016

Devido a uma interrupção de energia feita pela CEMIG, nesta terça (21), a Reitoria de UFOP vai funcionar das 13h...

Leia mais