skip to content

Histórias de Chicó e João Grilo animam fim de tarde de Ouro Preto

Twitter icon
Facebook icon
Google icon

Caminhando pelas ruas de Ouro Preto, os personagens João Grilo (Cláudio Falcão), a pé, e Chicó (Fernando Augusto), de bicicleta, já interagiam com quem passava. Dentre elogios eles recebiam agradecimentos e, até mesmo, buzinas de carro ritmizadas que acompanhava a sineta da magrela azul. 

Ao chegar na ponte seca, local onde aconteceu o espetáculo, João Grilo já interagia com o público que disparou a rir. Com uma gaita ele tocava músicas do interior. Quem estava lá logo reconhecia a melodia e começava a cantar. Desenfreado, Chicó, descia o morro íngreme com as pernas pra cima e gritando: "Sai da frente, sai da frente!". 

As crianças, grande parte dos que estavam presente, começam a prestar atenção na conversa dos dois com brilho nos olhos, quase nem piscam. As histórias contadas giram em torno de causos que acontecem na roça, no sertão. 

João toca gaita, Chicó flauta. O maior desejo de Chicó é que o padre da Igreja do Rosário abençoe seu instrumento musical. João Grilo então escolhe na plateia um rapaz para ser o padre, e o leva até o palco. Agora é a vez de achar coroinhas para compor o altar. As crianças começam a gritar: "Eu, eu, eu!". O sucesso da interação é unânime. O padre já está com a batina, e a missa montada. Cânticos católicos são entoados enquanto os pequeninos balançam o sino. Tudo para que o personagem tenha seu sonho realizado. Ele logo chega e já ajoelha de frente ao padre. Logo após a cerimônia, fica tão empolgado que começa a tocar a flauta freneticamente. Todos gostam e aplaudem. 

A garotada fica tão animada que uma criança invade o palco para chegar mais perto dos personagens, que acabam interagindo com o menino. A improvisação é um show a parte. João abre o pão, e ensina Chicó a dividir o alimento que, por sinal, sou o primeiro a receber um pedaço. "Vou dar pão para esse menino, ele está com uma carinha de quem está passando fome". 

Caminham no meio das pessoas fazendo com que a interação seja divertida, além de fazer com que quem está assistindo participe da cena. A apresentação musical começa, e todos começam a bater palma acompanhando o ritmo. Maria, de 8 anos, é tirada para dançar por Chicó. "Eu adorei. É bem interessante e legal. Foi muito divertido", comenta a menina. 

O espetáculo, que estava marcado para ser no Largo do Rosário, não pôde acontecer no local, devido a uma cerimônia de casamento que estava sendo celebrada no mesmo horário da peça. "Foi incrível. Não estávamos preparados para apresentar no espaço, nunca havíamos ensaiado lá. Foi pelo público que nos transportamos, e, ao chegar e ver a ponte seca tomada por nosso lindo publico, não tivemos outra reação a não ser nos divertir junto com eles. Agradeço a praça da Ponte Seca, por não deixar que o sonho não se concretizasse. Agradeço aquele lugar encantador, que mesmo num momento de inicio de noite, fez a magia acontecer. Obrigado nosso incrível público!", avalia o ator Cláudio Falcão.

Veja também

24 Agosto 2017

A " Carta Mariana e Ouro Preto de Políticas Culturais " aborda o planejamento cultural da região dos municípios por...

Leia mais

18 Julho 2017

35580104560_7c5e668f47_b.jpg Larissa Pinto O grupo Maracatrupe passou pelo corredor cultural no último domingo (16) Com o objetivo de reunir os...

Leia mais

13 Julho 2017

Cultura e tradições populares são destaques na edição 2017 do Festival de Inverno. Os trabalhos de diversos artesãos e artistas...

Leia mais

12 Julho 2017

Neste ano, serão 71 oficinas distribuídas entre as três cidades. As duas cidades da região dos Inconfidentes, Mariana e Ouro...

Leia mais