skip to content

Exposição “Terra Prometida” traz reflexões sobre a tragédia de Mariana

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Monique Torquetti

O cômodo tem as paredes brancas, em contraste respingos marrons. Parece tudo quase limpo, já se passou tanto, não é mesmo? 5 de novembro de 2015 parece há décadas. Só que não. Os resquícios estão ali, em cada gota de lama silenciosa colocada na exposição que integrou a programação do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana de 2016: “Terra Prometida”. A lama não é verdadeira, os ecos são. 

Uma mesa montada - prato, garfo e faca. Um liquidificador traz a mistura de dor e perdas. Gaiolas sem os pássaros. Um desenho tampado do que costumava ser o subdistrito. Caminhão em miniatura que carrega minério e um rivotril - a metáfora perfeita. Cada obra teve seu foco em uma questão da tragédia: a saudade, a destruição, o soterramento etc. Cada um abre margem para significados e os visitantes têm o papel de interpretar. 

terraprometidamonique.jpg

Monique Torquetti
A exposição continua até o dia 30 de julho.

Rachel Falcão é uma das artistas e destaca que principal objetivo da exposição é que o assunto continue em pauta. Ela e mais 11 artistas (Ana Célia Teixeira, Ana Fátima Carvalho, Antônio de Araújo, Azor Borges, Bárbara Mól, Ivi Martins, João Pedro Zuccolotto, Poliana Reis, Raquel Prazeres, Regiane Espírito Santo e Ricardo Macêdo), dentre eles profissionais e dois alunos do Núcleo de Arte da Faop, sentiram a necessidade, como cidadãos e como artistas, de se manifestarem sobre a tragédia. “Era uma coisa que estava na cabeça de todo mundo, todo mundo querendo falar alguma coisa a respeito”, afirma a artista. Eles se juntaram e acharam que o Festival de Inverno — o primeiro depois do rompimento da barragem — seria o evento ideal para expor. Apesar de a maioria dos artistas trabalharem na Faop, a iniciativa foi autônoma. 

Outra possibilidade da exposição traz o desejo que os artistas tinham de mostrar outras linguagens plásticas, para além das tradicionais. Os materiais e tipos de obras são extensos, dentre eles pinturas, bordados, instalações, gravações etc. “É um tema pesado mas ao mesmo tempo é uma exposição leve e interessava pra gente discutir e mostrar outras possibilidades plásticas”, comenta Rachel.

O nome da exposição incita vários significados. Rachel explica que “Terra Prometida” pode ser pensado pelo lado bíblico e religioso, que é um significado positivo, mas que nessa situação se tornou negativo. “Como era uma tragédia anunciada, as medidas não foram tomadas. Virou uma terra prometida e ameaçadora para as pessoas que moravam ali. A gente tentou trabalhar com todas essas leituras possíveis. E tem ainda a terra prometida do novo Bento, novo local onde essas pessoas vão se instalar”, explica. 

O número de visitantes foi alto. Até a sexta-feira (15/07), 500 pessoas assinaram o caderno. Rachel salienta que essa é uma estimativa porque muita gente não assina. A artista conta que eles querem levar a exposição para Mariana e depois, ainda, sair com ela para outros lugares.

O Festival já terminou, mas a exposição fica até 30 de julho, na Sala Direita do Museu Casa dos Contos (Rua São José, 12. Centro – Ouro Preto). Segunda-feira de 14h às 18h; terça a sábado de 10h às 17h e domingo de 10h às 15h. Entrada franca.

Voltar para a página inicial do Festival.

Veja também

26 Julho 2016

No maior salão do Centro de Convenções, palco de diversos eventos culturais, duas meninas apaixonadas por fotografia expõem seus registros...

Leia mais

19 Julho 2016

Caminhando pelas ruas de Ouro Preto, os personagens João Grilo (Cláudio Falcão), a pé, e Chicó (Fernando Augusto), de bicicleta,...

Leia mais

19 Julho 2016

Além de exposições, oficinas e concertos, o Festival de Inverno trouxe diversas apresentações culturais para o público interessado. Estudantes de...

Leia mais

18 Julho 2016

A Exposição "Arte, Resistência e Solidariedade" exibe obras de 35 artistas ouro-pretanos que, nelas, reafirmam a necessidade de modificarmos nossa...

Leia mais